CERTIFICAÇÕES

Seguindo a tendência do mercado de alimentos, especialmente da forma na qual os alimentos são produzidos, a MEQ tem conduzido um trabalho pioneiro com certificações. A empresa foca em princípios abordando: qualidade do alimento, ética, excelência, e responsabilidade ambiental e scoial. Assim, a “qualidade com ética”, trazendo o bem-estar animal e das pessoas envolvidas no processo produtivo, respeito ao meio ambiente e aos consumidores é uma premissa básica em qualquer ação da empresa.

Três certificações podem ser destacadas dentro dos objetivos da empresa: ISO 14000, 26000 e 45000, focando em questões sociais e ambientais e a certificação internacional de bem estar animal “certified humane” da empresa Certified Humane. 

A Fazenda São Bento foi a primeira operação com leite na América Latina agraciada com a certificação “certified humane” em 2015. O selo equivale ao Freedom Foods da RSPCA (Sociedade Real para Prevenção de Crueldade aos Animais), conhecida tradicionalmente na Europa. Obter as ISOs até o 2020 é a meta final da empresa para a operação de produção de leite e outras ISOs abordando qualidade de produção, transparência e impactos ambientais serão obtidas para o laticínio.

 

 

O objetivo final da empresa quanto a questões ambientais toca o monitoramento da “eficiência ambiental” mensurando a pegada de água, carbono e nitrogênio na produção de leite e, por fim, dos queijos produzidos. A pegada representa a quantidade utilizada de um determinado recurso natural para a produção de um produto ou alimento considerando totas as etapas no processo produtivo. Juntamente com os professores Gustavo Almeida- Universidade Federal de São Carlos (UFSCar); John Hermansen- Universidade de Aarhus (Dinamarca), e Julio Palhares (Embrapa São Carlos) a fazenda toca projetos com alunos de graduação e pós graduação abordando esta temática.

Novas parcerias com Universidades para melhorarias na qualidade do leite e gestão da empresa foram criadas. Como com as seguintes: Professores: Marcia Barcellos- University Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) com o Matheus Delavald, durante seu mestrado. A dissertação utilizando um estudo multi-disciplinar abordou o processo de verticalizaçõa da empresa e agregação de valor aos produto. Ainda, a empresa iniciou em 2018 uma parceria com a Universidade do Vale do Taquari (UNIVATES) e está incubada no polo tecnológico da Universidade TECNOVATES na cidade de Lajeado no Rio Grande do Sul.

A MEQ busca seguir e criar tendências no mercado de alimentos, acreditando veemente que a filosofia por trás de um sistema de produção está se tornando cada vez mais importante tão quanto a própria qualidade, e, a transparência neste mercado é essencial para o sucesso.

No mercado internacional de lácteos inúmeros exemplos de tal filosofia existem tanto na America Latina como na Europa. O projeto “Green Production” da Arla Foods (Dinamarca), focando em questões ambientais, no bem-estar animal assim como a tese de doutorado de Anne Flysjӧ sob a orientação do professor John Hermansen (Universidade de Aarhus - Dinamarca), abordando a pegada de carbono nos produtos lácteos da Arla é um exemplo. No Uruguai, a Cooperativa Conaprole desenvolve projetos focados na utilização de energia limpa nas fazendas. Em ambos países, assim como outros, criar exemplos positivos quanto a filosofia de produção é o marco buscado pela MEQ. Embora já exista alguma preocupação com a abordagem das pegadas ambientais na agricultura e pecuária de corte no agronegócio brasileiro, na pecuária leiteria esta temática é incipiente. Desta forma, ajustes nos procedimentos e metodologias para estudos a campo em condições tropicais brasileiras ainda se fazem necessários. Porém, resultados com estas abordagens podem diferir dos já existentes, se tornando uma ferramenta interessante para o segmento da pecuária leiteira brasileira. Os dados levantados no projeto do laticínio da MEQ na Fazenda São Bento buscam responder o questionamento levantado pelo professor Professor Hoesktra (Universidade de Twente - Holanda), vindo dos consumidores quanto aos produtos de origem animal “quão ambientalmente intensivo é determinado produto que está a venda? Como este produto está relacionado a depleção ou poluição de determinado recurso natural?” 

O projeto das pegadas ambientais da MEQ na produção de lácteos possuem caráter pioneiro na América Latina e com os dados levantados até 2020 a empresa espera poder aprimorar a sua eficiência ambiental na produção de leite e queijos, e, possivelmente, se tornar um exemplo para outras empresas deste mercado.